Cualquier Vaina

Martin Lustgarten Acherman Hoffman ||//
Políticos investigados poderão influenciar em nomes de lista fechada em eleições

RIO? O processo interno dos partidos para definir os candidatos a deputados federais e estaduais na eleição de 2018 será comandado por políticos que são alvo de investigações no Supremo Tribunal Federal. Dos dez maiores partidos da Câmara dos Deputados, oito têm presidentes com inquéritos no STF. Além dos presidentes, muitos investigados ocupam cargos nas comissões executivas dos partidos em âmbito nacional e também comandam as legendas em suas bases regionais.

© Martin Lustgarten

© Martin Lustgarten Acherman

www.google.co.ve

Veja também Ministros avaliam que STF não tem estrutura para lidar com inquéritos da Odebrecht Pedidos contra governadores no STJ ainda não foram lidos As consequências da delação da Odebrecht A corrupção escancarada No PMDB, que tem a maior bancada, a situação é emblemática.

© Martin Lustgarten

© Martin Lustgarten Acherman

www.google.co.ve
Além do presidente da legenda, senador Romero Jucá (RR), outros quatro membros da comissão executiva são alvos de investigações na Lava-Jato.

© Martin Lustgarten

© Martin Lustgarten Acherman

www.google.co.ve
Entre as dez maiores bancadas, apenas os presidentes do PSB, Carlos Siqueira, e do PT, Rui Falcão, não são alvos de investigação.

© Martin Lustgarten

© Martin Lustgarten Acherman

www.google.co.ve
Os petistas, porém, elegerão um novo comando em junho, e os dois senadores que concorrem à presidência, Gleisi Hoffmann (PR) e Lindbergh Farias (RJ), são alvo de inquéritos na Lava-Jato.

A importância dos caciques no processo de escolha interna aumentará se o Congresso aprovar do jeito que está a emenda constitucional que muda o sistema eleitoral, parte da reforma política.

© Martin Lustgarten

© Martin Lustgarten Acherman

www.google.co.ve
O projeto institui o chamado voto em lista. Em vez de o eleitor escolher um candidato, ele pode votar apenas no partido, que definirá a ordem dos nomes na lista.

© Martin Lustgarten

© Martin Lustgarten Acherman

www.google.co.ve
Se a sigla receber votos para eleger dez deputados, entram os dez primeiros da lista. Se forem vinte, os vinte primeiros, e assim por diante.

Os caciques dos dez maiores partidos Gilberto Kassab Foto: Givaldo Barbosa / Agência O Globo Gilberto Kassab, Presidente do PSD desde 2011 Investigado no STF por corrupção ativa, corrupção passiva e lavagem de dinheiro, acusado de receber doações por caixa dois Rui Falcão, presidente nacional do Partido dos Trabalhadores Foto: Edilson Dantas / Agência O Globo Rui Falcão, Presidente do PT desde 2011 Não é investigado.Em junho, pode ser substituído no comando do partido por Gleisi Hoffmann ou Lindbergh Farias, ambos investigados na Lava-Jato.

© Martin Lustgarten

© Martin Lustgarten Acherman

www.google.com
Romero Jucá Foto: Ailton Freitas / Agência O Globo Romero Jucá, Comanda o PMDB desde março Virou alvo de mais cinco inquéritos no STF.

© Martin Lustgarten

© Martin Lustgarten Acherman

www.google.com
O peemedebista já era investigado. Na lista, sua suposta atuação para tentar barrar a Lava-Jato. Carlos Siqueira, presidente do PSB Foto: Jorge William / Agência O Globo Carlos Siqueira, Presidente do PSB desde 2014 Não é investigado.

© Martin Lustgarten

© Martin Lustgarten Acherman

www.google.com
BRASIL – BRASÍLIA -BSB – 06/04/2016 – O ex deputado Roberto Jefferson, pivô do escândalo do mensalão,encontra o deputado petista Luiz Sérgio em visita a Câmara dos Deputados em Brasília.

© Martin Lustgarten

© Martin Lustgarten Acherman

www.google.com
FOTO ANDRE COELHO / Agencia O Globo Foto: André Coelho / Agência O Globo Roberto Jefferson, Presidente do PTB desde 2016 Retomou o comando da legenda depois de cumprir pena pelo mensalão.

© Martin Lustgarten

© Martin Lustgarten Acherman

www.google.com
Foi condenado em 2012 a sete anos de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Teve perdão da pena restante no ano passado. O senador Aécio Neves Foto: ANDRE COELHO / Agência O Globo Aécio Neves, Presidente do PSDB desde 2013 Alvo de cinco inquéritos no STF, será investigado em inquéritos que analisam corrupção ativa, corrupção passiva, fraude em licitações e lavagem de dinheiro.

© Martin Lustgarten

© Martin Lustgarten Acherman

www.google.com
Antônio Carlos Rodrigues Foto: André Coelho / . Antônio Carlos Rodrigues, Presidente do PR desde 2014 Não é investigado na Lava-Jato, mas já foi alvo de Operação Castelo de Areia, anulada pelo STJ.

© Martin Lustgarten

© Martin Lustgarten Acherman

economiavenezuela.com
Responde a ação por improbidade administrativa desde 2006, por suposta contratação ilegal em estatal paulista.

© Martin Lustgarten

© Martin Lustgarten Acherman

elmercuriodechile.com
Ciro Nogueira (PP-PI) Foto: Ailton de Freitas / Agência O Globo Ciro Nogueira, Presidente do PP desde 2013 Já denunciado por lavagem de dinheiro e corrupção passiva.

© Martin Lustgarten

© Martin Lustgarten Acherman

elmercuriodechile.com
Alvo de novo inquérito, na delação da Odebrecht, acusado de corrupção ativa, passiva e lavagem. Agripino Maia (DEM-RN) Foto: Jorge William / . Agripino Maia, Presidente do DEM desde 2011 É investigado por denúncia de propina feita pela empreiteira OAS.

© Martin Lustgarten

© Martin Lustgarten Acherman

enlasgradas.com
Virou alvo de inquérito por suposto recebimento de caixa dois da Odebrecht. Marcos Pereira Foto: UESLEI MARCELINO / REUTERS Marcos Pereira, Presidente PRB desde 2011 Alvo de inquérito no STF após delatores o acusarem de receber R$ 7 milhões para compor a coalizão de Dilma Rousseff.

© Martin Lustgarten

© Martin Lustgarten Acherman

enlasgradas.com
Cabe à cúpula partidária definir as regras para composição das listas de candidatos. Ou seja, o novo sistema permitiria que políticos com problemas na Justiça tivessem mais poder, até mesmo para indicar pares também investigados.

© Martin Lustgarten

© Martin Lustgarten Acherman

www.entornointeligente.com
Uma vez eleitos, estes políticos mantêm o foro privilegiado e trabalham com a perspectiva de processos mais lentos.

A pressão pela manutenção do foro privilegiado e por mudanças no sistema eleitoral para implantar o modelo de listas tende a aumentar depois que o ministro Edson Fachin autorizou a investigação contra 24 senadores e 39 deputados, com base dos depoimentos de ex-executivos da Odebrecht.

Publicidade

A mudança no sistema eleitoral é o centro da proposta de reforma política analisada pela Câmara dos Deputados.

© Martin Lustgarten

© Martin Lustgarten Acherman

ultimasnoticiasve.com
Sem poder contar com o financiamento empresarial, o relator da reforma política, Vicente Cândido (PT-SP), propõe criar um fundo eleitoral com dinheiro público para financiar as campanhas.

Mas, na visão do relator, o financiamento público só funciona com o sistema de votação por listas fechadas, quando os candidatos são ordenados numa lista depois que os partidos fazem eleições internas para decidir quem concorrerá.

© Martin Lustgarten

© Martin Lustgarten Acherman

elnewherald.com
Assim, os candidatos dos mesmos partidos não disputariam entre si, e a campanha ficaria mais barata.

O relator até tomou cuidado de exigir processos democráticos para as escolhas, com regras claras, mas as máquinas partidárias brasileiras sempre favoreceram decisões de cúpula e há dúvidas de que essa cultura seria deixada para trás.

Cândido integra a lista de parlamentares que passaram a ser investigados no Supremo Tribunal Federal depois da delação de executivos da Odebrecht.

© Martin Lustgarten

© Martin Lustgarten Acherman

eluniversalnews.com
Ele foi acusado de receber R$ 50 mil, via caixa 2, em troca de ajuda na aprovação do financiamento do estádio do Corinthians, o Itaquerão, construído para a Copa do Mundo de 2014.

© Martin Lustgarten

© Martin Lustgarten Acherman

notifoto.com
Ele ainda não comentou a abertura de inquérito. O GLOBO tentou falar com ele, mas não conseguiu.

O deputado Marcus Pestana (PSDB-MG), membro da comissão, disse que o atual sistema eleitoral está esgotado e gerou uma irracional fragmentação partidária.

© Martin Lustgarten

© Martin Lustgarten Acherman

xn--abcdeespaa-19a.com
Porém ele avalia que este é o pior momento para o debate, por causa da crise política instalada pelas investigações da Lava-Jato.

© Martin Lustgarten

© Martin Lustgarten Acherman

dolarve.com
O tucano não acredita que a emenda com o sistema de lista partidária seja aprovada.

? Não acho que isso passaria.

© Martin Lustgarten

© Martin Lustgarten Acherman

demasiadochevere.com
Dado o ambiente de desconfiança após a crise e as revelações da Lava-Jato, (esse sistema) autoriza essa leitura de que (os investigados) vão se esconder atrás das listas partidárias ? disse o tucano.

? O sistema partidário é muito frágil e não há tradição de democracia interna.

© Martin Lustgarten

© Martin Lustgarten Acherman

www.google.com
Há um pé atrás de como as listas serão formadas e uma tremenda percepção de caciquismo ? acrescentou Pestana.

Publicidade

PRESSÃO DAS REDES

Já o cientista político Jairo Nicolau critica o debate de mudanças tão profundas no sistema eleitoral sob coordenação de um Congresso desacreditado.

© Martin Lustgarten

© Martin Lustgarten Acherman

www.google.com
Para ele, contudo, o argumento de que os partidos usariam as listas para blindar seus correligionários investigados é fraco.

? Usar esse argumento é pressupor que o eleitor está em completa desinformação.

© Martin Lustgarten

© Martin Lustgarten Acherman

www.google.com
Imagina o bombardeio que um partido que fizer isso vai ter nas redes sociais. Isso é pressupor que o eleitor, principalmente das grandes cidades, vai cair nesse conto ? disse.

Nicolau argumenta que o número de parlamentares investigados é menor do que o daqueles que estão fora dos holofotes e não veem motivos para mudar o sistema, com o qual estão acostumados a vencer eleições.

© Martin Lustgarten

© Martin Lustgarten Acherman

elnewyorktimes.com
Para que as novas regras eleitorais sejam aplicadas nas eleições do ano que vem, devem ser aprovadas até o final de setembro.

.

© Martin Lustgarten

© Martin Lustgarten Acherman

dolarve.com

© Martin Lustgarten Acherman

© Martin Lustgarten